3

História do Manchester United

Manchester United Football Club foi fundado em 1878, embora sob um nome diferente – Newton Heath Longyearbyen (Lancashire e Yorkshire Railway).

Como alguns suspeitavam do impacto que eles estavam prestes a ter a nível nacional, até mundial, os trabalhadores no pátio ferroviário de Newton Heath entregaram sua paixão pelo futebol com jogos contra os outros departamentos da LYR ou outras empresas ferroviárias.

Na verdade, quando a Liga de Futebol foi criada em 1888, Newton Heath não foi considerado bom o bastante para tornarem-se membros fundadores juntamente com o Blackburn Rovers e Preston North End. Eles tiveram que esperaram até 1892, para então poder entrar.

Problemas financeiros atormatavam Newton Heath, e dado o começo do século XX, parecia que o destino era a extinção. Mas o clube foi salvo, no entanto, por um dono de uma cervejaria local, John Henry Davies. Diz uma lenda que ele tomou conhecido da situação do clube, quando achou o cachorro do até então capitão do Newton Heath, Harry Stafford.

John Henry Davies decidiu investir no clube, esperando um retorno, claro.

Isso levou o clube a mudar de nome e, depois de vários nomes rejeitados, como Manchester Central e Manchester Celtic, nasceu o Manchester United em Abril/Maio 1902.

A próxima figura influente a chegar ao United, foi Ernest Mangnall, ao qual foi apontado como secretário em setembro de 1903, mas é reconhecido como o primeiro Manager do clube. Fez grandes contratações, como o goleiro Harry Moger, e o atacante Charlie Sagar. Terminou o campeonato em 3º lugar na segunda divisão em 1903/1904 e 1904/1905.

A temporada seguinte, 1905/1906, foi para provar o maior começo do “novo” clube. Os jogadores Dick Duckworth, Bell Alex e o capitão Charlie Roberts foram fundamentais para que o time alcançasse as quartas de finais da FA CUP, mas mais importante foi o vice na segunda divisão. Doze anos depois de ser rebaixado, o United recuperou o seu posto na parte superior.

Para comemorar, Mangnall contratou Meredith, do rival local Manchester City. Apelidado de Mago Galês, Meredith se envolveu em um escândalo de corrupção na cidade, sendo assim, ele com mais 17 jogadores foram leiloados, mas Mangnall fez o seu lance de forma rápida, e adquiriu Meredith antes mesmo do leilão começar.

A chegada do Winger provou ser inspiradora – Meredith estabeleceu gols para Sandy Turnbull em 1907/08, quando o United venceu a League One, pela primeira vez. Tal como campeão, o United disputou pela primeira vez a Charity Shield, contra o campeão da Southern League, QPR (Queens Park Rangers), em 1908, vencendo por 4×0, com um hatrick de Jimmy (não Sandy) Turnbull.

O terceiro troféu a ser adicionado a galeria honrosa de nossa equipe, foi o troféu da FA Cup, Após um jogo dramático, o United bateu o Bristol City por 1×0, graças ao gol de Sandy Turnbull.

As palavras “Old Trafford” entraram para o folclore do futebol pela primeira vez na temporada 1909/1910. O terreno em que o estádio foi construído foi comprado pela Manchester Brewery Company (John Henry Davies) e alugadas pelo clube. Davies pagou pelo trabalho da construção, iniciado em 1908 sob a supervisão do Arquiteto Archibald Leitch. Em 1910 o clube havia se mudado de Bank Street (antigo estádio).

Primeiro jogo do United em Old Trafford foi disputado em 19 de fevereiro de 1910. Os anfitriões perderam por 4×3, contra seus primeiros visitantes, o Liverpool (sentiram o golpe? Irônico, não?). Mas o estádio cumpriu, com êxito, o alojamento de 80.000 pessoas. Dois antes, uma parte do Bank Street foi destruída por fortes ventos, mais uma prova de que a mudança de estádio, foi uma sábia decisão, e no momento certo.

Na verdade, o United foi campeão pela segunda vez da League One, em sua primeira temporada completa com o novo estádio, Old Trafford, 1910/1911. Ganharam o título no ultimo jogo, batendo o Sunderland por 5×1 com Harold Helse marcando 2 gols. Helse também marcou 6 gols contra Swindon Town, em um placar de 8×4, pela Charity Shield.

Apesar de tais façanhas, o United não manteve a campanha vitoriosa em 1911/1912, terminando assim em 13º lugar. O secretário-manager, Ernest Mangnall não agüentou e renunciou para poder se juntar ao vizinho e rival local, Manchester City. Em busca do sucessor de Mangnall, o United contratou o presidente da Liga de Futebol, JJ Bentley. Sob seu comando, o United terminou em 4º lugar na temporada 1912/1913.

Em 1913/1914 foi um período de transição. Enquanto a campanha ficou marcada por uma mudança de gestão, em 1914, a função de secretário e manager foram separadas, assim JJ Bentley ficou como Secretário e John Robson foi designado para ser o manager.

O time de Robson foi apenas uma sombra da boa temporada anterior. Apenas George Stacey, Meredith, Sandy Turnbull e Wall George permaneceram desde 1909 (campanha vitoriosa da FA cup). O clube escapou do rebaixamento por apenas um ponto.

Antes que o United pudesse traçar seu plano de recuperação, teve a eclosão da Primeira Guerra mundial, o que suspendeu o campeonato, e os clubes recorreram para jogarem outros campeonatos regionais.

United jogou no torneio de Lancashire Principal and Subsidiary Tournament por quatro temporadas, mas isso foi o de menos sucesso, o sofrimento ficou por conta de que dois jogadores do clube foram acusados de manipulação de resultados. Enoch West foi banido do futebol, assim como Sandy Turnbull, que se juntou ao Batalhão de Jogadores para ajudar na guerra da Inglaterra.

Tragicamente, o antes herói de conquistas, Sandy Turnbull foi morto durante uma batalha na França em maio de 1917, para deixar o United sem outro de seus heróis, para o retorno a League One, na temporada 1919/1920.

Manchester United voltou a Liga no dia 30 de agosto de 1919, após uma pausa de 4 anos por causa da Primeira Guerra mundial. O primeiro jogo foi contra o Derby Country, que incluiu muitas caras novas na equipe, na verdade, apenas dois jogadores haviam jogado na ultima temporada do clube, em 1914/1915.

Meredith ainda estava em Old Trafford, mas iria encerrar sua belíssima carreira no clube. Ele fez apenas 20 partidas na temporada 1919/1920, quando United ficou em 12º lugar. O novo herói, Joe Spence, terminou como artilheiro da equipe, com 14 gols marcados. E ele foi artilheiro novamente em 1920/1921, e o clube ficou em 13º.

O manager John Robson deixou o clube, sendo substituído por John Chapman, que voltou a assumir a Dupla função de secretário-manager, posto ocupado pela ultima vez por Ernest Turnbull, que continuava a frente do City, e já os levava para um estádio que seria sua casa, em Maine Road.

Ernest Turnbull contratou novamente Meredith, que desistiu da idéia de aposentar, e não foi por coincidência que o United não agüentou ficar na primeira divisão, vencendo apenas 8 partidas de 42 em 1921/1922. A equipe de Chapman ficou na segunda divisão por 3 temporadas, até que a liderança de Frank Barson surtiu efeito e deu em acesso a League One, no final de 1924/1925. United terminou em segundo lugar, atrás apenas de Leicester City, depois de perder apenas 8 pontos.

O posto de “voando alto” dado ao clube, foi abaixo com um modesto 9º lugar em 1925/1926, e a equipe chegou a um impasse na semifinal da FA Cup, quando foram derrotados pelo City por 3×0 em Bramall Lane, no entanto a sorte do City estava pra acabar, eles não só perderam a final para o Bolton, como perderam também o lugar na League One, sendo rebaixados.

Não que os torcedores do United pudessem se dar ao luxo de rir do City. Dois meses antes de começar a League One, o clube teve problema, quando a FA decidiu suspender o manager Johnson Chapman, o motivo nunca foi esclarecido. O meia Claurence Hilditch assumiu o cargo de Jogador-Treinador enquanto o clube procurava um substituto a altura, mas ‘Lal’ foi relutante ao escolher o novo treinador, e a equipe pagou por isso.

O sucessor automático de Chapman, Herbert Bamlett chegou mais tarde ao clube, ainda naquela temporada. Ele era conhecido como o árbitro que queria terminar o jogo da FA Cup de 1909 contra o Burnley, pois estava nevando durante o jogo, mas Bamlett não conseguia assoprar o apito para terminar, pois estava muito frio. Então Charlie Roberts fez o trabalho, o que levou o United rumo ao título.

Infelizmente Bamlett não teve nenhum impacto na equipe. A equipe foi lentamente caindo da League One, terminando em 15º na 1926/1927, na 1927/1928, terminando em 18º lugar, e recuperando ligeiramente um 12º na 1928/1929. Joe Spance continuou a marcar vários gols, mas nem ele foi capaz de impedir o declínio constante do United…

O declínio que começou nos anos 20 continuou no inicio dos anos 30. United terminou em 17º na temporada 1929/1930, para então deixar seus torcedores apavorados. O medo foi confirmado quando o United fez seu pior inicio na história, perdendo 12 partidas seguidas, incluindo duas surras em Old Trafford para o Huddersfield Town, 6×0. E para o Newcastle, 7×4.

United acabou sofrendo 27 derrotas em 42 partidas na temporada 1930/1931, sofrendo 115 gols. O rebaixamento fez o manager Hebert Bamlett a sair. O secretário Walter Crickmer foi encarregado se assumir a equipe. A paciência da torcida estava sendo testada, e muitos não gostaram, tanto é que no começo da temporada apenas 3.507 torcedores compareceram. A temporada foi passando e a situação piorou. Não se tinha mais dinheiro para pagar os salários dos jogadores. A falência era uma ameaça real.

O salvador do clube veio na forma de James Gibson, um fabricante de uniformes do exército. Ele investiu 30.000 libras no clube, pagou os jogadores e nomeou um novo manager, Scott Duncan, e fez o clube voltar aos trilhos. Scott Duncan recebeu dinheiro para gastar com o clube, no entanto, não fez mais que isso.

Duncan cometeu um erro terrível na temporada 1933/1934, que beirou o rebaixamento a Terceira Divisão, pela primeira vez na história do clube. O salvamento veio apenas no ultimo jogo da temporada, quando venceram por 2×0, gols de Tom Manley e Jack Cape, e mandaram seus oponentes, Milwall para o rebaixamento. Na mesma semana o Manchester City venceu a FA Cup, com um homem chamado Matt Busby.

United terminou a temporada 1934/1935 em 5º lugar, e depois, em 1935/1936 conquistou seu primeiro título da década, invicto durante os ultimos 19 jogos da campanha, que garantiu o título da Segunda Divisão com uma vitória de 3×2 sobre Bury, em Gigg Lane, graças aos gols de Mantley e George Mutch.

Depois de sair da Segunda Divisão, o United parecia bem para ficar na Primeira, mas até o Natal eles tinham vencido apenas 4 partidas, incluindo uma no próprio Natal. Apenas 10 vitórias em toda a campanha significavam apenas uma coisa: rebaixamento, e com o City novamente dando o contraste, vencendo a League One. A equipe do United incluía o Walter Winterbottom, que seria nomeado Cavaleiro após ter conduzido a Inglaterra por 16 anos.

O ioiô continuava, com o United sendo novamente promovido a Primeira Divisão na temporada seguinte, 1937/1938, como vice campeão do Aston Villa. Scott Duncan poderia ficar apenas com uma parte dos créditos, já que ele saiu no meio da temporada, em novembro de 1937, para virar manager do Ipswich. Walter Crickmer assumiu o posto de manager interino.

O destaque da temporada de Duncan e Crickmer foi à descoberta de Johnny Carey, um dos maiores laterais da história do futebol. Jogando 32 partidas e marcando 6 gols, Carey ajudou o United a permanecer em 14º lugar. Enquanto isso o City era rebaixado. Não houve muito tempo para comemorar, a Guerra novamente faria o futebol parar mais uma vez, por alguns anos.

A explosão da Segunda Guerra Mundial parou o futebol entre os anos de 1939 até 1946. Mas mesmo a ausência do futebol, Old Trafford continuava a ser o centro das atenções.

Em 11 de março de 1941 Old Trafford foi bombardeado durante um ataque aéreo alemão. O ataque destruiu a arquibancada principal, camarins, e os escritórios. Foi um ataque devastador, mas dentro de alguns anos o otimismo voltaria à tona.

Esse otimismo tinha o nome de Matt Busby, que viria a ser a figura mais importante na história do Manchester United. Um ex-jogador do City e Liverpool, que participou no Nono Batalhão de Liverpool, no Regime do Rei, onde suas qualidades de liderança brilhavam, e isso não passaria despercebido no United.

Busby se juntou ao clube em 1945, com um contrato de 5 anos. Mal sabia ele que estaria à frente do clube 25 anos depois.

Busby não perdeu tempo, e mostrou serviço logo, mudando as posições de seus jogadores chaves. Ele também fundou o “Famous Five” (Quinteto famoso) de atacantes, que tinha Jimmy Delaney, Stan Pearson, Jack Rowley, Charlie Mitten, e Johny Morris.

Talvez a mais importante contratação de Busby tenha sido feita na comissão técnica. Jimmy Murphy, conhecido por Matty durante a guerra, foi logo identificado como braço direito do manager. Os dois formaram uma bela dupla, que veria o United se tornar uma potência mundial.

Busby e Murphy deram o primeiro passo rumo à glória ao desafiar as honras nacionais. Eles quase conseguiram na primeira tentativa ao ficarem em segundo lugar para o Liverpool na primeira campanha após a Guerra, em 46/47. Foi a mais alta classificação em 36 anos. E a dose de otimismo ainda aumentou quando os Reserves venceram a Championship League (central), na mesma temporada.

A mistura de jovens de Busby deu resultado ao levarem o primeiro título na temporada seguinte, quando bateram o Blackpool de Stanley Matthews, Stan Mortensen, e Harry Johnston, em 1948 na final da FA Cup. Há 39 anos o United vencia a FA Cup pela primeira vez, em 1909.

A FA Cup foi o principal título desde a League One, em 1911, e seria o principal alvo para os comandados de Matt Busby. Durante 5 anos, o United terminou por 4 vezes segundo colocado, e outra em quarto (1949/1950).

A emoção de perseguir o título novamente trouxe uma inundação de fãs, levando mais de um milhão as catracas, em 1947/1948, tirando o clube das dívidas. Certamente que estes fãs logo seriam recompensados com um prêmio que todos ansiavam ver…

A década de 50 começara com um desmanche no elenco após o título da FA Cup. Após um papo no vestiário John Morris foi para o Derby e Charlie Mitten foi fazer sua magia na Colômbia. A torcida ficou preocupada.

O plano de Scot era promover os jovens que haviam sido recrutados no fim dos anos 40. Jackie Blanchflower e Roger Byrne foram os primeiros, e logo rotulados de “Babes” pelos jornais. Na temporada da estréia eles venceram a League One, título que não venciam desde 1911.

Em 1955/1956 e 56/57, Byrne levantou o troféu da League One como capitão de uma grande equipe jovem, que incluiu vários outros “produtos” da academia de Busby. Eddie Colman, Mark Jones, David Pegg, todos esses estavam no time principal, e jogando regularmente, cortaram seus dentes na FA Cup Youth, o United ganhou por 5 anos seguidos, desde sua criação, em 1953.

Nem todo talento da equipe foi feito em casa, como pratas da casa, mas o manager foi muito feliz ao entrar no mercado de transferências e contratar Tommy Tailor e o goleiro Harry Gregg.

Outro jovem que brilhou na equipe foi o inglês Duncan Edwards. Tão poderoso tão talentoso e maduro, foi o adolescente de Dudley não poderia ser impedido de ir para o time principal. Em abril de 1953 ele se tornou o mais jovem jogador a jogar pelo time principal na League One, com 16 anos e 185 dias.

Um jogo que resumiu bem os novos Busby Babes foi um contra o Arsenal, em Highbury, no dia 1 de fevereiro de 1958, com um público de 63.578 pessoas. O jogo teve 9 gols e o United venceu, com gols de Duncan Edwards, Taylor (2), Charlton e Viollet.

Infelizmente, o que talvez fosse o melhor jogo em solo inglês, foi o ultimo daquela equipe. De Highbury os Babes foram para Belgrado para jogar o jogo de volta contra o Estrela Vermelha. Novamente venceram por 5×4, mas no agregado. A caminho de casa, a festa por terem ido a semifinal foi interrompido por uma tragédia.

Após construir uma das maiores equipes já vista, na Inglaterra, Matt Busby, teve que começar tudo de novo no inicio da década de 60. O desastre aéreo havia lhe roubado, e o futebol de alguns dos maiores jogadores da época. Mas uma vez que o grande manager havia se recuperado, ele iria construir outro time, para então tomar o mundo pela tempestade.

Dennis Viollet foi um dos principais nomes dentro da equipe. Em 1959/1960, o sobrevivente de Munique bateu o recorde de Jack Rowley, marcando 32 gols em uma temporada. A equipe marcou 102 gols, mas sofreram 80, e acabou no 7º lugar.

Viollet não foi o único grande sobrevivente de Munique para desfrutar de uma grande carreira em Old Trafford, outros como Bill Foulkes e Bobby Charlton, que veio através dos jovens para bater recordes pelo clube e pelo país. Nooby Stiles também havia subido, enquanto Denis Law veio em uma transferência recorde de 115.000 libras, do Torino.

O United começou a temporada de forma irregular, não só na temporada, mas no inicio da década em si. Após virem novos nomes, o clube chegou novamente a final da FA Cup, batendo o Leicester por 3×1, 2 gols de Herd e 1 de Law, em 62/63.

A temporada seguinte desafiava o United na conquista pelo título, ao qual ficou apenas 4 pontos do campeão Liverpool, para quem perdeu os dois jogos, tanto em casa como fora. A temporada 62/63 também foi notável pela contratação de George Best, o garoto de Belfast que tinha se juntado ao mundo do futebol para virar uma super estrela. Sua habilidade, velocidade e controle deixavam os adversários em nós, fazendo dele um sucesso entre os fãs, enquanto seus olhares e pose de galã faziam sucesso com as moças.

Em 64/65, o famoso trio de Best, Charlton e Law levaram o United às alturas. Eles venceram a League One, vencendo o Leeds no saldo de gols, por um gol de diferença. Chegou a semifinal da Inter Cities Fair Cup, e da FA Cup. Law com muitos gols foi nomeado jogador Europeu do ano.

Aquele parecia ser o “produto” final de Busby, mas o time veio por desapontar na quarta temporada seguinte, saíram da FA Cup e da European Cup nas semifinais, Destaque para o jogo das quartas da European Cup, contra o Benfica de Eusébio, foi 5×1 para o United, la no Estádio da Luz. Best estava em seu auge.

Em 1966/1967 United sagrou-se campeão da League One de novo e uma nova temporada bem sucedida na European Cup era garantida. United teria que percorrer um longo caminho para bater o mesmo Benfica na final. Jaime Graça empatou o jogo, após Charlton ter aberto o placar, com um gol de cabeça. O jogo foi para a prorrogação, mas os gols de Best, Law e Charlton, selaram o título para Old Trafford. O United havia conquistado a Europa. Apenas 10 anos após Sir Matt Busby ter visto o seu time dos sonhos destruído, ele realizou o impossível. E foi condecorado pouco tempo depois.

Na temporada seguinte, os campeões terminaram a League One em 11º lugar e não ganhou nenhum título. Também perderam o Mundial de Clubes para o Estudiantes por 2×1. Apesar do clima desfavorável de 69, a torcida poderia se sentir satisfeita pela década de 60. Poucos poderiam invejar a aposentadoria de Busby, em 1969, depois de tudo que ele tinha conquistado.

Com as memórias da taça da European Cup se desfazendo as atenções voltaram para o cargo de manager. Sir Matt Busby havia deixado o clube, deixando inclusive, o conselho do clube com um problema.

A solução encontrada era de promover alguém da comissão técnica de Busby e o ex-jogador Wilf McGuiness para o cargo. Uma combinação de envelhecimento dos jogadores e falta de controle na equipe, fizeram com que Wilf McGuiness tomasse algumas atitudes, dentre elas por Shay Brennan e Denis Law na lista de transferências, o que não ajudou de nada, nem fez George Best render em campo.

Wilf não agüentou muito tempo, e no Boxing Day de 1970 Busby foi posto no seu lugar, temporariamente. Frank O’Farrell era o mais próximo do cargo a tomar conta em junho de 1971, mas apesar do começo promissor, a derrota sobre o Crystal Palace por 5×0 derrubou o Irlandês, no dia 16 de dezembro de 1972.

Apesar do reinado de O’Farrell ter sido muito curto, ele havia deixado uma marca, a contratação de Martin Buchan, no valor recorde de 125.000 libras. O Ex-capitão do Abeerden ia ser tornar um jogador chave para o sucessor de O’Farrell, Tommy Docherty, que foi apontado como manager no natal de 1972.

O principal desafio de Doc era manter a equipe bem enquanto os ídolos da década de 60 iam saindo. Sir Bobby Charlton havia anunciado a aposentadoria, que ocorreria ao final da temporada 1972/1973. George Best foi saindo dos trilhos novamente e Denis Law não estava mais no auge. Law foi transferido de forma gratuita para o Manchester City, em 1973, algo que iria assombrar Docherty, já que o escocês marcaria naquela mesma temporada o gol que rebaixaria o Manchester United, em Old Trafford, em abril de 1974.

Para o crédito de Docherty, o Manchester United venceu a Segunda Divisão, tendo ainda o artilheiro Stuart Pearson, com 17 gols, em 74/75. Lou Macari marcou o gol que garantiu o acesso do clube, sobre o Southampton, em 5 de abril de 1975.

United em seguida chegou a duas finais seguidas, perdendo uma para o Southampton em 1976, e vencendo o Liverpool por 2×1 em 77, impedindo inclusive o que seria a Treble deles. Os homens de Doc haviam conseguido destruir o sonho do Liverpool. Mas Doc não ficou muito tempo no cargo, foi demitido 44 dias depois após ser confirmado que ele mantinha um caso com a mulher do fisioterapeuta do clube, Laurie Brown.

O manager do QPR, Dave Sexton foi contratado. Ele não conseguiu terminar acima da 14a colocação em suas duas primeiras temporadas, 77/78, 78/79. Em 79 ele foi à final da FA Cup, em Wembley, mas perdeu para o Arsenal por 3×2, em um dos jogos mais memoráveis do torneio. Sammy McIlroy e Gordo McQueen marcaram os 2 gols, faltando 5 minutos para o final, trazendo o United de volta ao jogo após estar perdendo por 2×0. Alan Sunderland fez o 3º do Arsenal no tempo extra.

Os frenéticos últimos minutos em Wembley resumiram bem a década de 70 para o United, uma década de grande drama, com altos e baixos que nunca foram afastados.

United fez um mau começo no inicio da década de 80. Uma saída precoce na FA Cup e um mau começo na League One, martelando em Ipswich foram o inicio ruim, no entanto, Dave Sexton e seu time, venceram os últimos 8 jogos do campeonato, terminado assim, só a 2 pontos do Liverpool, que foi campeão.

United fez um começo parecido na temporada seguinte, 1980/81, e venceu os últimos 7 jogos, mas dessa vez o máximo que conseguiram foi um oitavo lugar, posição que a direção não tolerava. Dave Sexton foi sacado no dia 30 de abril de 1981, após 4 temporadas.

O substituto seria Ron Atkinson, que trouxe consigo Mick Brown para ser seu assistente e Eric Harrison como treinador das categorias de base. Mas o que mais se destacou nele foi seu papel no mercado de transferências, ele quebrou um record ao trazer Bryan Robson por 1,5 milhões de libras, do WBA, e gastou mais de um terço disto em outro ex-homem do Albion, Remi Moises.

No meio-campo, os recém chegados foram maravilhosos, com toques sutis, completando a fineza da Ray Wilkins. Mas ainda faltava algo, o United precisava de um atacante que poderia coincidir com o atacante Ian Rush, do Liverpool, que voltou a vencer o campeonato em 1982, 83 e 84. Os homens de Atkinson nunca estiveram muito longe disto, terminando ou em 3º ou em 4º, mas nunca estiveram perto também.

As copas domésticas eram a melhor chance do United de levar um troféu. Eles chegaram em Wembley nas duas, na Milk Cup (Carling Cup atual) eles perderam por 2×1 para o Liverpool, enquanto isso, ia encarar o Brighton and Hove Albion. O primeiro jogo foi um chocante empate de 2×2, em seguida uma vitória espetacular por 4×0, com gols de Bryan Robson (2), Muhren Arnold e Norman Whiteside.

Whiteside tinha o hábito de decidir em grandes ocasiões, como por exemplo, na final da FA Cup de 1985, contra o Everton, por 1×0. United já havia ficado com 10 homens, após a expulsão de Moran. Foi o segundo sucesso de Atkinson na FA Cup em três temporadas, mas dezoito meses depois ele foi demitido, por ser incapaz de quebrar o monopólio de Merseyside, nem mesmo 10 vitórias seguidas poderiam ajudá-lo, em 85/86.

Em novembro de 1986 o United contratou seu ultimo técnico, Alex Ferguson, do Abeerden. Ferguson havia ganhado cada prêmio que a Escócia, tinha a lhe oferecer, isso sem mencionar o título da European Cup Winners aonde venceu o poderoso Real Madrid, por 1×0.

Ferguson claramente tinha o talento, mas ele também precisava de tempo. O clube foi paciente ao ver a equipe terminar a temporada 86/87 em 11º, e novamente em 88/89, mas entre essas duas temporadas, a 87/88, o United mostrou que estava no caminho certo, ao ficar em segundo lugar, vencendo oito e empatando dois dos últimos dez jogos.

A promessa da temporada, e que algumas contratações seriam feitas, em breve seriam cumpridas.

O alvorecer da década de 90 começava, e Alex Ferguson venceu seu primeiro troféu pelo clube, e o Liverpool seu ultimo campeonato inglês. A maré estava começando a virar…

A FA Cup de Ferguson foi salvadora para que continuasse em seu cargo, após outra temporada fraca. Mas, nove anos depois, parecia que o gol de Lee Martin contra o Palace explodiu uma onda de sucesso sem precedentes.

Em primeiro lugar, a FA Cup de 1990 permitiu ao United a volta as competições européias, após uma ausência de cinco anos. Sem percorrer todo aquele caminho, United disputou a final da European Cup Winners contra o Barcelona, Roterdam. O ex-clube de Mark Hughes foi atacado pelo mesmo, que marcou os dois gols da vitória por 2×1, 23 anos depois da ultima conquista européia.

A espera pela League One quase terminou em abril de 92. A briga era de dois cavalos, juntamente com o Leeds. O Liverpool estava fora, mas mesmo fora, conseguiu atrapalhar o United, vencendo por 2×0 em Anfield, algo que selou o título para o Leeds.

O título de 91/92 ficaria conhecido em Manchester como o título que o United perdeu muito mais do que a competência do Leeds. Afinal, Leeds não era uma das maiores potências da Inglaterra, e sua qualidade foi ainda reduzida após uma de suas maiores estrelas ter ido para Old Trafford, em Dezembro de 1992.

Na venda de Eric Cantona para o Manchester United, o clube havia praticamente selado o título. O francês levou aquele pouquinho de magia que faltava nas campanhas anteriores, e foi um sucesso com a torcida, marcando 9 gols e dando o título ao clube depois de 26 anos.

Na temporada seguinte, 93/94, o United pegou um caminho histórico para a vitória, levando uma Double, a Premier League e a FA Cup, com Cantona pegando a camisa lendária número 7 das mãos de Bryan Robson. O número 1 por sua vez era Peter Schmeichel, o maior goleiro já visto em Old Trafford.

Cantona ficou afastado por oito meses, a partir de janeiro de 1995, após um confronto com um torcedor do Crystal Palace. Isso foi uma prova de que o United perderia a defesa da Double, e perdeu. A Premier ficou com o Blackburn por apenas um ponto e a final da FA Cup eles perderam para o Everton. O ex-campeões foram prejudicados em Wembley, por uma lesão de Steve Bruce, capitão e a rocha defensiva na década de 90.

Bruce também perdeu a final da FA Cup da temporada seguinte, mas dessa vez o resultado foi bastante diferente. Foi contra o Liverpool, e eles queriam segurar o jogo e tentar levar para o tempo-extra, mas Cantona fez o gol da vitória aos 86′ minutos. O francês foi uma espécie de inspiração para jovens como Gary Neville e David Beckham.

Em 97, Cantona ajudou o clube a levar sua quarta Premier na década. E foi sua ultima, já que surpreendentemente ele havia anunciado sua aposentadoria, no mesmo mês. E como era de se esperar, 97/98 foi um ano vazio para o clube, que viu o Arsenal levar uma Double. Mais uma vez as lesões de jogadores importantes como Roy Keane e Ryan Giggs.

A influência que Giggs poderia ter nos resultados ficaria evidente na temporada 98/99, principalmente no jogo replay contra o Arsenal, pela FA Cup, quando marcou, em uma jogada individual, um belo gol, que partiu desde o meio campo e envolveu quatro defensores do Arsenal. O time chegou novamente a final e bateu o Newcastle por 2×0, gols de Scholes e Sheringham.

Este título garantiu a terceira Double na história, já que seis dias antes o clube conquistara a Premier League. Mas tinha mais por vir ainda, uma campanha notável…

Depois de uma semifinal épica contra a Juventus, quando Keane inspirou a equipe a buscar o empate e logo a virada em Turim, o United estava na final, em Barcelona no Camp Nou, contra o Bayern de Munique.

O United tentaria vencer a sua primeira Uefa Champions League desde 1968, mas isto parecia estar condenado quando Mario Basler abriu o placar para o Bayern. Depois de muita luta, o empate veio nos minutos finais e logo em seguida a virada, com Sheringham e Solskjaer, respectivamente. Esse momento ficou arquivado como um dos mais emocionantes da história. O Manchester United havia conquistado a Treble, algo único para a Inglaterra. Alex Ferguson foi condecorado “Sir” após toda essa glória.

A Treble se tornaria uma quadruple no ano de 1999, quando o Manchester United viajou ao Japão para enfrentar o Palmeiras no Inter-Continental Cup. O gol foi de Keane deu o título ao United. E oficialmente, no final do milênio, o maior clube do mundo havia se tornado o melhor também.

Começando um novo ano, milênio, século, o Manchester United entrou em uma competição nova, o Mundial de Clubes no Brasil, mas para isso acontecer, deveriam abrir mão de participar da FA Cup, da qual eram campeões.

O passeio na América do Sul em Janeiro não resultou em troféu, mas os Red devils ganharam um belo relaxamento ao sol. Rejuvenescido por isso, tinha que agora correr atrás de seus rivais na corrida pelo título. Alcançaram o título da Premier League cedo, e sem um substituto convincente para Peter Schmeichel.

Vários goleiros tentaram inclusive Mark Bosnich tentou e não conseguiu estabelecer-se durante a temporada 99/00. Por isso foi surpreendente a compra do goleiro Fabian Barthez para a próxima temporada.

O excêntrico, porem brilhante goleiro ajudou o United a conquistar seu terceiro título da Premier League consecutivo, em 2000/2001. Isso já havia sido conquistado antes, o ultimo foi o Liverpool, em 82/83/84, mas sob comando de dois técnicos, Paisley e Joe Fagan.

Alex Ferguson esteve à frente dos três títulos e foi o primeiro técnico a vencer esse “hatrick” de títulos. Depois desse ultimo troféu ele anunciou sua aposentadoria, mas voltou atrás e decidiu continuar a frente do clube.

A principal contratação de Ferguson no verão de 2002 foi o zagueiro Rio Ferdinand, um dos melhores pela Inglaterra na Copa do Mundo na ásia. A compra foi feita com 30 milhões de libras que encheu os cofres do Leeds, e que devolveu o “aço” de volta a zaga, deixada por Stam quando foi para a Lazio.

Ferdinand ajudou o United a levar o título em 2003, mas o ano não foi bom. Ferdinand foi suspenso por não comparecer ao exame antidoping em Carrington e sua pena foi de oito meses.

No período sem Ferdinand o United perdeu o título para o Arsenal, mas venceu a FA Cup, pela 11a vez, maior vencedor, batendo o Milwall por 3×0, no Millenium Stadium de Cardiff. Um ano depois o United estava de volta ao estádio para enfrentar o Arsenal na final, o Chelsea já havia levado a Premier e a Carling Cup, e foi o Arsenal que venceu, no pênaltis, apesar de uma exibição dominante do United. Ano seguinte o troféu da Carling Cup foi vencido pelo clube, sobre o Wigan.

Para Alex Ferguson e seus jogadores, o objetivo principal era vencer a Premier League, ao qual devidamente alcançado na temporada 06/07, conquistado o 16º título, ficando 6 pontos a frente do ex-campeão, Chelsea. Apesar de a equipe ter tido um desempenho memorável para tirar o título de Stamford Bridge, quem mais se destacou foi Ronaldo, que levou 13 honras para a casa, incluindo PFA Player e Jovem Jogador do Ano.

Embora parecesse improvável que ele tivesse uma exibição superior a da temporada 06/07, Ronaldo foi além, e marcou 42 gols, vencendo o Chelsea pela Double. Reforçados pelas contratações de Hargreaves, Nani, Anderson e Tevez, United recuperou-se de um inicio lento, ao qual ficou abaixo da liderança boa parte da temporada. O título foi conquistado no ultimo jogo, contra o Wigan, em que Ryan Giggs marcou o gol que selou a vitória, no mesmo dia em que ele havia se tornado recordista de aparições com a camisa do clube. O United havia levantado o 17º troféu.

Dez dias depois, United e Chelsea travariam outra batalha, dessa vez pelo título da Uefa Champions League. Ronaldo abriu o placar, que logo foi empatado por Frank Lampard.

A partida foi para os pênaltis, Ronaldo errou, e John Terry teve a chance de levantar o troféu, mas acabou por escorregar e a bola bateu na trave. O United começou a ganhar as cobranças até que Edwin Van der Sar pegou o pênalti de Anelka e garantiu o 3º título da Champions League para o Manchester United.

O texto acima contém trechos da história disponível no site oficial do clube, em inglês.

Copyright, Manchester United Ltd, 2012

 

Sobre o autor

Rafael Cucatti é estudante de direito e torce para o Manchester United desde 1999.

Leave a Reply